O olho é a quinta parte do corpo mais atingida pelos acidentes de trabalho. Cerca de 4% das lesões contra a incidência de 4,3% de ferimentos no joelho, 8,6% nos pés, 8,7% nas mãos (exceto dedos e punho) e 30,4% nos dedos. Por isso, é importante que essa parte do nosso corpo, que proporciona um dos sentidos mais importantes, seja protegido.

Principais lesões que ocorrem no ambiente de trabalho

 

 

Perfurações no globo ocular causadas geralmente por objetos pontiagudos como pedaços de madeira, prego, vidros, estilhaços e projéteis, são as lesões mais comuns no ambiente de trabalho. uso de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) é fundamental para que lesões mais graves sejam prevenidas.

Contusões: atingem mais a parte interna dos olhos. Exemplos: boladas, batidas de carro, e objetos mal aparados.

Impactos que aumentam muito a pressão intraorbitária (dentro do globo ocular). Geralmente, ocorre na base da órbita ocular ou nas laterais internas onde a estrutura óssea é mais frágil. Nesses casos, o paciente costuma apresentar visão dupla, edema e pode ter a face interior anestesiada.

 

Quem trabalha em escritório também está sujeito às lesões oculares.

 

Neste ambiente, as lesões costumam ser mais brandas. Por exemplo, as pessoas que passam muito tempo na frente do computador também precisam ter cuidados.

O uso excessivo ou inadequado do equipamento pode causar olhos irritados ou vermelhos, cansaço visual, sensação de areia nos olhos e vista embaçada.

Para evitar este desgaste, faça pausas de pelo menos dez minutos a cada hora de trabalho na frente do computador. Procure piscar várias vezes para lubrificar o globo ocular. 

As crianças precisam de ainda mais atenção 

 

É natural que as crianças se machuquem em todos os ambientes. Na escola, em casa, nos parques. Nesta fase da vida, os movimentos e equilíbrio ainda estão se desenvolvendo, então elas merecem atenção redobrada.

Estudos indicam que os traumas oculares respondem pela maior parte dos casos de cegueira monocular (perda da visão em apenas um dos olhos) entre as crianças. Eles também indicam que os acidentes acontecem principalmente dentro da própria casa, no quintal e na escola. 

 

Após o atendimento oftalmológico de emergência, a criança deverá ser acompanhada pelo médico periodicamente, mesmo que o trauma seja considerado leve. Esta medida é importante para que outras doenças mais sérias não se desenvolvam, como o glaucoma, por exemplo.

Cuidados básicos para evitar acidentes com as crianças:

 

Pais, responsáveis e professores podem tomar algumas precauções simples para evitar as lesões das crianças:

 

-Sem que estiver cozinhando, deixe o cabo da panela virado para dentro. Este detalhe ajuda a prevenir que as crianças puxem a panela e tenham queimaduras;

-Mantenha longe do alcance das crianças produtos de limpeza. Evite coloca-los embaixo da pia ou em lugares baixos. A mesma coisa vale para os medicamentos, mantenha em um local que só os adultos tenham acesso.

-Não dê brinquedos pontiagudos, estilingues ou tesouras com ponta. Isso diminui o risco de perfuração ocular;

-As plantas parecem inofensivas à primeira vista, mas é preciso tomar cuidado com aquelas com formato pontiagudo, venenosas e com espinhos.

 

-Não pegue bebês e crianças no colo quando estiver fumando, além de fazer mal para as vias respiratórias, a ponta do cigarro pode provocar queimadura ocular.

-As fezes de alguns animais, principalmente de gatos e aves, podem transmitir toxoplasmose, doença que provoca inflamação ocular e que em casos graves, pode levar à cegueira; O contágio acontece no contado da criança com as fezes do animal e posteriormente levam a mão aos olhos e boca. Também é indispensável que a criança lave as mãos depois de brincar com os animais.

 

Oriente as crianças sobre os animais que arranham ou bicam. Durante a brincadeira, podem acontecer lesões sérias provocadas por eles.

 

Produtos químicos, germes e poluentes podem causar problemas nos olhos das crianças que praticam natação ou outros esportes aquáticos. Por isso, o uso dos óculos apropriados é indicado, inclusive os de natação com grau.

 

Oriente as crianças a não coçar os olhos repetidamente, pois essa frequência pode facilitar o aparecimento de infecções e levar ao desenvolvimento de doenças oculares como o ceratocone (córnea pontiaguda), a queda da pálpebra, o olho vermelho e excesso de lacrimejamento.

 

Caso a criança já frequente a escola, é importante que os professores fiquem atentos com o uso de objetos pontiagudos como lápis e tesouras, pois eles podem ferir os próprios olhos ou o dos colegas;

Coloque o cinto de segurança, mesmo que eles estejam sentados no banco de trás. É nos automóveis que acontecem a maioria dos acidentes com perfurações de olhos. Obs: Crianças com até 12 anos de idade devem sempre ir no banco de trás, jamais leve crianças, não importando a idade, no colo, principalmente no banco da frente.

 Como evitar acidentes oculares domésticos

 Pense na organização dos ambientes

Materiais de limpeza e medicamentos devem ficar longe do alcance das crianças. Isso porque desinfetantes e produtos de limpeza possuem químicas que podem causar queimaduras oculares se entrarem em contato com os olhos.

Atenção a objetos e móveis com potencial de acidente

Quinas de mesas, brinquedos pontiagudos e pias podem apresentar risco de perfuração dos olhos. Em casos de acidente, a melhor atitude é levar a criança imediatamente ao hospital mais próximo para que um médico analise o caso e, caso seja necessário, retire o corpo estranho. Os responsáveis não devem remover o objeto.

 

Em casos de areia, cisco e pelos de animais, os olhos devem ser lavados com água corrente. Não tente retirar a sujeira diretamente com as mãos para que não haja o risco de causar ou agravar uma lesão na córnea. Se a limpeza com água corrente não funcionar, leve a criança ao oftalmologista.

 

Atenção!

É comum que após a lesão o olho atingido apesente vermelhidão, dor, ardência e inchaço, mas nem sempre esses sintomas aparecem logo após o acidente. Por isso, é fundamental a visita ao oftalmologista sempre que houver qualquer acidente ocular, por mais simples que seja, só um profissional poderá avaliar a gravidade do caso e indicar o tratamento mais adequado.

 

Contusões e perfurações oculares: como elas acontecem?

O globo ocular é protegido pela órbita (cavidade da face), a parte da frente dos olhos fica exposto a traumas, principalmente em esportes que utilizam bola. Esses são os principais causadores de contusão (impacto ou pancada).

Em esportes de contato como o futebol, as lesões podem ser causadas por bolada no rosto, cotoveladas, cabeçadas e dedo no olho. Esses impactos podem causar traumas superficiais na conjuntiva levando ao descolamento da retina, uma emergência oftalmológica.

 

No caso dos esportes com raquetes, como o tênis e squash, o cuidado deve ser com a bolinha, que por ser pequena, podem se encaixar na órbita ocular. Se ela ficar quente durante o jogo, podem até causar queimaduras ao entrar em contato com as pálpebras e córnea.

 

O trauma contuso, muitas vezes é considerado grave pelos especialistas, por ser uma agressão direta na órbita ou no globo ocular (estrutura do olho com formato esférico, que fica dentro da cavidade do crânio). Trata-se de um trauma agudo, e não tem ferimento aparente, mas provoca muita dor e edema – Acumulo anormal de liquido que produz inchaço.

 

Os traumas causados por bolinhas de paintball são considerados mais graves, por causa do tamanho do objeto e sua força. Elas atingem diretamente o globo ocular, por isso recomenda-se o uso constante da máscara de proteção enquanto estivar pratica esse esporte.

 

 

Lesões mais comuns que acontecem durante a prática de esportes

-Glaucoma. Muito comum em traumas contusos que causam aumento da pressão ocular.

 

-Fratura de órbita: acontece em traumas mais violentos, como cabeçadas, quedas e acidentes em esportes automobilísticos.

 

-Hifema: hemorragia causada dentro da câmara anterior do olho. Pode levar à perda da visão.

 

-Lesão retiniana: pode acontecer a partir de um edema por impacto, rasgos periféricos até o descolamento da retina.

 

-Perfuração: Em casos de traumas muito violentos por explosão ou objetos pontiagudos;

 

-Uveíte: Inflamação interna do globo ocular, em geral é resolvido com o uso de anti-inflamatórios.

Entenda o que é um hifema ocular

A estrutura do rosto é feita para proteger os olhos de lesões. As pálpebras podem se fechar rapidamente para formar uma barreira contra objetos estranhos, isso garante que os olhos possam suportar impactos leves sem ser lesados, mas nem sempre essa estrutura protetora é suficiente para evitar um trauma ocular mais grave. Uma briga, um acidente no trânsito, uma disputa mais acirrada no futebol ou uma briga podem prejudicar a sua visão.

 

Todo trauma, mesmo que leve, deve ser examinado pelo médico oftalmologista. Ele irá avaliar a gravidade e prevenir possíveis complicações mais graves, que em alguns casos, podem levar até a cegueira total.

 

O hifema é uma complicação que pode ter várias intensidades. Nas primeiras 24 horas após a lesão, é comum que se forme uma mancha escura ao redor dos olhos. Quando um vaso sanguíneo se rompe na superfície do olho, ele fica vermelho, mas o sangramento é de pouca intensidade. Quando esta lesão acontece na parte interna do olho, geralmente ela é mais grave que a superficial. Esse sangramento intraocular chama-se hifema.

 

Um hifema  de pequena intensidade pode não apresentar muitos sintomas, apenas um leve embaçamento visual e desconforto no olho lesionado, podendo haver dor e sensibilidade à luz. Em casos mais graves, quando há um hifema total, o acúmulo de sangue pode bloquear a pupila e a íris, impedindo a visão. Nesses casos, é necessário ir imediatamente para o hospital, pois se trata de uma emergência médica.

O tipo tratamento do hifema irá depender da gravidade da lesão e do prognóstico do médico. Em casos mais leves, não há necessidade de tratamento, no máximo, o uso de colírios prescritos pelo oftalmologista, pois  o sangue é naturalmente absorvido pelo organismo em poucos dias. Em casos mais graves, que ocorrem raramente,  hifema necessita intervenção cirúrgica para remoção dos coágulos e restos de sangue para a prevenção  do aparecimento de outras complicações.

O hifema também pode ocorrer após intervenção cirúrgica ou em relação a não utilização de medicamentos anticoagulantes, mas a principal causa é o trauma ocular.

Caso não seja tratado corretamente, o hifema pode gerar aumento da pressão ocular e afetar o nervo óptico, causar inflamação ocular, que futuramente pode evoluir para uma catarata e em casos extremos, levar a pessoas à cegueira total ou danos irreversíveis. Os pacientes que tiverem algum tipo de lesão na retina, precisam de um acompanhamento específico. Seguindo o acompanhamento médico, a maioria dos pacientes apresentam evolução satisfatória.

 

Acidentes oculares na terceira idade.

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a cada ano, cerca de 1,5 milhão a 2 milhões de pessoas no mundo perdem a visão por causa de danos causados por traumas oculares. Quando estamos falando de pessoas com idade mais avançada, os riscos são ainda maiores. Isso porque as quedas são mais comuns na terceira idade, fato que é até considerado um problema de saúde pública.

Nesta fase da vida, as alterações fisiológicas são progressivas, afetando o equilíbrio e assim aumentando os riscos de queda. Isso muitas vezes leva ao aumento do isolamento social, baixa autoestima e nos casos mais graves, pode ocasionar depressão.

 

Alguns fatores podem favorecer as quedas:

 

-Condições físicas do ambiente;

-Sedentarismo;

-Doenças ocasionadas pelo envelhecimento;

-Comprometimento da acuidade visual;

-Efeitos colaterais de alguns medicamentos de uso contínuo;

-Doenças que comprometem os músculos e ossos como artrose, osteoporose e labirintite, doenças cardíacas neurológicas.

 

Precauções

 

Banheiro

Use tapetes emborrachados e antiderrapantes;

Mantenha uma boa iluminação;

Utilize cores diferentes das do vaso sanitário e pia nas paredes;

Instale barras de apoio laterais eleve o assento sanitário.


 Quarto

Usar tapetes aderentes ao chão

Use sapatos com solado antiderrapante

Ajuste a altura da cama e use colchões firmes

Coloque um abajur próximo à cama

 

Sala

Deixe o caminho livre de fios

Prefira sofás firmes e altos

Utilize poltronas com braços para se apoiar quando for levantar.

 

Cozinha

Utilize armário com altura de fácil alcance

 

Escadas

As escadas devem ter corrimão nas laterais para apoio

Não deixe objetos nos degraus

Utilize revestimento antiderrapante

Coloque interruptores no começo e final da escada

 

Agora que você já sabe das principais causas de lesão ocular, e como se prevenir delas, visite o seu oftalmologista regularmente, mantenha uma dieta balanceada e rotina de exercícios regular. Os seus olhos vão agradecer por muito tempo! Gostou desse conteúdo? Tem muito mais aqui no nosso blog, dê uma olhadinha lá em baixo, depois dos comentários!