Silenciosa e sem cura, glaucoma é uma doença que ninguém pode ignorar. De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, 2% dos brasileiros acima dos 40 anos, cerca de 1,2 milhão de pessoas, sofrem da enfermidade.

Mais um dado para deixar você em alerta: o glaucoma só perde para a catarata quando falamos da principal causa de cegueira no mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). A instituição estima que até 2020 serão mais de 79 milhões de pessoas no mundo com a doença.

Mas calma: existem diversas formas de prevenir-se do glaucoma, com exercícios físicos e visuais. Continue a leitura do artigo e veja as dicas que separamos para você.

Afinal, o que é glaucoma?

Glaucoma é uma doença decorrente da elevação da pressão intraocular, que provoca lesões no nervo óptico e leva à cegueira progressivamente.

Hereditariedade, traumas oculares, diabetes e a própria proximidade dos 40 anos de idade podem ser considerados seus principais fatores de risco.

Geralmente, o primeiro sintoma é a perda da visão periférica e, em estágios mais avançados, provoca dores de cabeça e/ou visão embaçada.

O glaucoma pode ser dividido em 4 tipos:

  • Aberto: fruto da alteração anatômica na região do ângulo da câmara anterior do olho, impedindo a saída do fluido denominado humor aquoso (responsável por nutrir a córnea e o cristalino, como também regular a pressão interna do olho);

  • Fechado: causado pela elevação súbita da pressão intraocular, é o mais fácil de ser diagnosticado. Sua principal causa é o estresse e seus sintomas mais comuns são vermelhidão, dores fortes nos olhos, náuseas e vômitos.

  • Congênito: forma mais rara de glaucoma, atinge os recém-nascidos por questões de hereditariedade e má formação.

  • Secundário: sua causa é, principalmente, por conta do abuso de certos medicamentos, traumas, outras doenças oculares ou até mesmo diabetes, uveíte e catarata.

Exercícios para prevenir-se do glaucoma

Existem boas práticas quando o assunto é prevenção ou retardação dos efeitos do glaucoma. Exercícios visuais que trabalham o cristalino são altamente recomendados, pois influenciam na movimentação do fluxo do humor aquoso, baixando a pressão ocular.

Movimentar-se e praticar esportes também ajuda - você controla melhor a sua pressão arterial, um dos fatores de risco da doença, além de elevar o fluxo de sangue no nervo óptico.

Confira abaixo algumas dicas que listamos:



Massagens

Procure fazer sessões diárias de massagens no rosto e pescoço. Isso reduz a tensão muscular ao redor dos seus olhos e estimula a circulação sanguínea em toda a região. O intuito principal é diminuir a pressão ocular.



Práticas esportivas

Exercícios físicos também são altamente indicados, desde que praticados de forma regular. Atividades aeróbicas, como corrida, ciclismo e natação, diminuem a pressão intraocular e potencializam a irrigação de sangue do nervo óptico.


Movimentação dos olhos

Escolha dois pontos de visão, um perto e um longe. Alterne as duas, intercalando com piscadas de olho. Esse exercício movimenta o cristalino e o humor aquoso, reduzindo os efeitos do glaucoma.

Estímulo com luzes

A dica final deste post é o estímulo com luzes. Pode ser um bastão de led ou até mesmo a tela do seu celular. Tampe o olho em que você se sente com a visão menos prejudicada e estimule o outro com luzes. Faça isso de 3 a 5 minutos com a luz, piscando normalmente.

Realize, também, algumas pausas nesse período, fechando os olhos. A ideia é estimular o nervo óptico a enxergar mais a luz.